• AngioSkin

SAIBA O QUE É UMA TROMBOSE VENOSA PROFUNDA E EMBOLIA PULMONAR

Atualizado: Jul 21

O que é uma Trombose Venosa Profunda e Embolia Pulmonar?


A trombose venosa é uma condição na qual um coágulo sanguíneo (trombo) se forma na veia. Este coágulo pode limitar o fluxo sanguíneo através da veia, causando inchaço e dor. Mais comumente, a trombose venosa ocorre nas "veias profundas" das pernas, coxas ou pelve. Isso é chamado de trombose venosa profunda, ou TVP.



A TVP é o tipo mais comum de trombose venosa. No entanto, um coágulo pode se formar em qualquer parte do sistema venoso. Se uma parte ou todo o coágulo sanguíneo na veia se rompe a partir do local onde é formado, ele pode viajar através do sistema venoso; isso é chamado de êmbolo. Se o êmbolo se alojar no pulmão, é chamado de Embolia Pulmonar, uma condição séria que leva a morte. A embolia pulmonar é causada por um coágulo, que se desprende das paredes dos vasos sanguíneos e se desloca em direção ao pulmão, entupindo os vasos desse órgão. O termo “Tromboembolismo Venoso" descreve a TVP e a Embolia Pulmonar.




Quais são os sintomas de uma Trombose Venosa Profunda e Embolia Pulmonar?


Os sinais e sintomas da TVP são inespecíficos e podem ser causados ​​pelo próprio coágulo ou estar relacionados a outra condição. Podem ser necessários estudos de imagem para diferenciar se um coágulo está presente ou se os sinais e sintomas são devidos a outra condição.

Trombose Venosa Profunda - Os sintomas clássicos da TVP incluem inchaço, dor, calor e sensibilidade ao toque e vermelhidão na perna envolvida.


Embolia Pulmonar - Tosse seca ou com sangue, falta de ar, dor no peito ou nas costa e aceleração dos batimentos cardíacos são sintomas.


Quais são as os fatores predisponentes de uma Trombose Venosa Profunda e Embolia Pulmonar?


Algumas condições médicas e medicamentos aumentam o risco de desenvolver um coágulo sanguíneo:

  • Câncer

  • Imobilização (por exemplo, devido a hospitalização, recuperação de lesão ou paralisia)

  • Idade mais avançada, principalmente com mais de 65 anos

  • Obesidade

  • Gravidez

  • Certos medicamentos (por exemplo, pílulas anticoncepcionais, terapia de reposição hormonal)

  • Fumar

  • Insuficiência cardíaca

  • Problemas renais

  • Cirurgia e condições relacionadas: os procedimentos cirúrgicos, especialmente aqueles que envolvem o quadril, a pelve ou o joelho, aumentam o risco de uma pessoa desenvolver um coágulo sanguíneo. Durante o período de recuperação, a inatividade prolongada também pode aumentar o risco de desenvolver um coágulo sanguíneo.

  • Trombofilia herdada: refere-se a um problema genético que faz com que o sangue forme coágulos anormais mais facilmente do que o normal. Vários fatores no processo de coagulação do sangue podem estar envolvidos, dependendo do tipo de problema genético presente. Exemplos de trombofilia herdada incluem o fator V Leiden; a mutação do gene da protrombina; e deficiências de fatores de afinamento do sangue que ocorrem naturalmente (antitrombina, proteína C e proteína S).


Como é feito o diagnóstico da Trombose Venosa Profunda e Embolia Pulmonar?


D-dímero - D-dímero é uma substância no sangue que é frequentemente aumentada em pessoas com TVP ou Embolia Pulmonar. Se o teste do dímero D é negativo, outros testes de diagnóstico podem não ser necessários.

EcoDoppler Colorido – O EcoDoppler utiliza ondas sonoras para gerar imagens das estruturas dentro da perna. Este Exame é similar às outras Ecografias e a sonda (probe) de ultrassom é aplicada à perna. Na maioria das circunstâncias, a EcoDoppler é o teste de escolha para pacientes com suspeita de TVP.




Angiotomografia de Tórax - A tomografia computadorizada é utilizada quando há suspeita de Embolia Pulmonar para se avaliar a circulação pulmonar.

Quais os tratamentos da Trombose Venosa Profunda e Embolia Pulmonar?


No tratamento da TVP, o objetivo principal é prevenir uma Embolia Pulmonar. Outros objetivos do tratamento incluem impedir que o coágulo se torne maior, impedir a formação de novos coágulos sanguíneos e prevenir complicações a longo prazo.

O tratamento da TVP e embolia pulmonar (PE) são semelhantes. Nos dois casos, a abordagem inicial é a anticoagulação. Outros tratamentos disponíveis, que podem ser usados ​​em situações específicas, incluem terapia trombolítica ou colocação de um filtro em um vaso sanguíneo principal (a veia cava inferior).

Anticoagulação – é baseada no uso de medicações que “afinam” o sangue. Na verdade, eles não dissolvem o coágulo, mas ajudam a impedir a formação de novos coágulos sanguíneos. Existem vários medicamentos diferentes que podem ser administrados após um diagnóstico de TVP (referido como "anticoagulação inicial"), incluindo:

Anticoagulantes orais diretos ("DOACs") - estão disponíveis em forma de comprimido; os disponíveis para anticoagulação inicial são rivaroxaban (marca: Xarelto), apixaban (marca: Eliquis), dabigatran (marca: Pradaxa) ou edoxaban (marca: Lixiana).

Antagonistas da vitamina K (cumarínicos) – medicações mais antigas e também disponíveis na forma de comprimidos; necessitam de acompanhamento mensal para controle do efeito e ajuste da dose, mas em alguns casos específicos são os medicamentos mais indicados.

Heparina de baixo peso molecular (HBPM), que é administrada como uma injeção sob a pele.

Heparina não fracionada, administrada na veia (por via intravenosa) ou como injeção sob a pele - Essa pode ser a escolha preferida em determinadas circunstâncias, como se uma pessoa necessite de diálise por insuficiência renal.

A escolha do anticoagulante e do tempo de uso depende de vários fatores, incluindo sua preferência, a recomendação do seu médico com base na sua situação e histórico médico e considerações de custo.

Caminhada durante o tratamento da TVP - Depois que um anticoagulante é iniciado e os sintomas (como dor e inchaço) estão sob controle, é altamente recomendável que você se levante e ande periodicamente. Os estudos mostram que não há risco aumentado de complicações (por exemplo, embolia pulmonar) em pessoas que se levantam e andam, e a caminhada pode de fato ajudá-lo a se sentir melhor mais rapidamente.

Terapia trombolítica - em alguns casos graves de risco de vida, um médico recomendará um medicamento intravenoso para dissolver coágulos sanguíneos. (Isso é chamado de terapia trombolítica. Essa terapia é reservada para pessoas que apresentam sérias complicações e que apresentam baixo risco de sangramento grave como efeito colateral da terapia. A resposta à terapia trombolítica é melhor quando há pouco tempo entre o diagnóstico e o início da terapia trombolítica. Nestes casos utiliza-se um cateter que injeta a medicação diretamente no interior do coágulo.



Filtro de veia cava inferior - um filtro de veia cava inferior é um dispositivo que bloqueia a circulação de coágulos na corrente sanguínea. Ele é colocado na veia cava inferior (a veia grande que leva da parte inferior do corpo ao coração). O filtro normalmente é inserido através de uma pequena punção na veia da perna com o uso de um anestésico local. Um filtro pode ser recomendado em pessoas com tromboembolismo venoso que não podem usar anticoagulantes devido a um risco de sangramento muito alto.









13 visualizações

Rua Mariante 180, Sala 602 / Moinhos de Vento - Porto Alegre

51 3519-7410

51 3519-7411

99573-7410

98017-6620

©  2020  Clínica AngioSkin