Técnicas minimamente invasivas apresentam eficácia no tratamento de aneurismas

Inicial / Técnicas minimamente invasivas apresentam eficácia no tratamento de aneurismas

Os aneurismas são definidos pela ciência como dilatação anormal de um vaso sanguíneo causado pelo enfraquecimento de suas paredes, seja por trauma ou doença vascular. O registro de casos tem sido cada vez mais frequentes independentemente do grau e idade do paciente.
Classificado em dois tipos, cerebral e da aorta, o grande risco do aneurisma para a saúde é o rompimento, que pode desencadear hemorragia ou isquemia dos tecidos irrigados pela artéria atingida, causando danos irreversíveis e até mesmo óbito.
Pessoas com histórico familiar de doenças vasculares, problemas renais ou pressão alta, são mais suscetíveis a apresentar este quadro de enfermidade em artérias como aorta, femorais, carótidas e artérias viscerais.
O tratamento convencional antes realizado somente com cirurgia, abriu espaço para técnicas menos invasivas, chamadas genericamente de procedimentos endovasculares que além de evitar intervenções complexas, como a remoção de parte da aorta oferece rápida recuperação, com segurança e eficácia comprovadas.
A Endoprótese é um exemplo de terapia que elimina a necessidade de uma cirurgia de aneurisma de tórax ou abdômen aberto, permitindo ao paciente retornar suas atividades normais entre 4 e 6 semanas, seguida pelo uso de stents recobertos e molas.